Meu 'crotesto' em forma de bolsinha. <3
Leia em 6 min

Primeiramente, alerta de textão: o post é comprido.
Segundamente, deixa eu entregar logo esse rolê que tô segurando as bolsinhas de todo mundo em casa. Hahaha.

Se você chegou aqui de paraquedas e não sabe o que é o Desafio, clica aqui. também vou deixar links para a parte um e a parte dois desse desafio. Só clicar e ser feliz.

Eu tentei usar um jeito diferente de colocar o zíper desta vez – e não foi assim, digamos, um sucesso. Na primeira bolsinha, eu simplesmente prendi o zíper com alfinetes e fui dando pontinhos com linha de costura comum, da mesma cor da bolsa (e ficou ótimo, retinho). Nessa segunda, achei que ia arrasar (arrasei mesmo, mas não no sentido pretendido) com a técnica de crochetar o zíper na bolsa.

Pensei em desmanchar e fotografar tudo outra vez, mas isso iria adiar ainda mais esse PAP, afinal. Vou usar as fotos que tenho, e fazer observações dos erros que cometi, pra que vocês possam optar por usar essa técnica ou não, certo? Certo. Vou pontuando ao longo do PAP os erros cometidos pra você poder evitá-los. 

1Finalizando a bolsínea

Depois de chegarmos ao final do gráfico (eu ainda adicionei umas carreiras extras entre as letras e no topo: deveria ter adicionado umas embaixo também – na próxima vez com certeza farei isso), a gente corta e esconde o fio da COR A (a principal) e o da COR B a gente só corta bem rente mesmo, pra não aparecer.

2E, na parte de baixo…

Vou contar aqui como eu fiz, e aí você decide se quer fazer igual. Vire. a bolsinha do avesso. Coloquei um fio duplo, deixando o meio do fio no começo da costura (pra poder prender o início do trabalho na alcinha que fica).

3Costurando o fundo da bolsa

Aí costurei usando o ponto de alinhavo, que fica perfeito pra esse tipo de trabalho (bem retinho embaixo, quando desvira a bolsa). Costurei na última carreira – porque aí, quando vira, ela fica pra dentro. Super seguro.

4Ibagens do fundo depois de desvirada a bolsa

Não falei? Bem retinho. Ela tende a ficar torcida quanto estamos fazendo, porque é confeccionada em espiral. A costura do fundo, a colocação do zíper e até mesmo o uso, com o tempo, tendem a resolver esse problema. Tá na paz.

5Tá, mas e como coloca o zíper?

Primeiramente Fora Temer vamos precisar de um zíper uma titica de nada maior que a bolsinha (pra gente costurar as pontas pra dentro e não ficar buraquinhos por onde as coisas escapam. Aí, fazemos pontos em linha reta ao longo do zíper, pra poder passar a agulha por eles depois. Um lado de cada vez.

Dá um sorriso pras visitas, zíper!

6Meu erro número um: a tensão

Fiz os pontos bem tensos, o que fez com que o zíper ficasse meio torto. Nesse ponto eu deveria ter percebido que ia dar ruim e refeito, mas na hora eu nem pensei nisso. Resumíneo: FAÇA OS PONTOS MAIS SOLTINHOS. Não a ponto de passar uma barca, mas os meus ficaram tão apertados que depois tive dificuldade até de passar a agulha de crochê, precisei ir alargando cada ponto ao longo do trabalho. Não recomendo.

7Meu erro número dois: o tamanho dos pontos

Como nunca tinha feito isso, imaginei que deveria fazer cada ponto de costura mais ou menos do tamanho do ponto de crochê, pra dar um pra cada um certo? Certo? Errado. Essa foi a principal causa do “entortamento” (sei lá se essa palavra existe, me deixa) do zíper. O negócio é fazer um pontão três vezes maior do que esse (e três vezes menos apertado) e ir introduzindo a agulha onde o ponto for ficar melhor, pra bolsinha ficar linda e retinha.

8Agora é o zíper? Nope.

 

Mas calma, que já já a gente chega lá. Agora a gente vai fazer um acabamento super simples, mas que faz toda a diferença no resultado final da bolsa. Faça 11 correntinhas com a COR A, aí suba a carreira a partir da segunda corrente próxima à agulha, já incorporando a COR B. Vai ficar um negocinho de 10 pontos de comprimento (que aquele um a mais era só pra subir).

9Chegando ao final, não troque de cor (ainda)

Resista à tentação de fazer o último ponto com a COR B (apesar de na bolsinha isso ser mandatório, aqui ia ficar estranho).

10Agora pode!

Faça uma correntinha pra poder subir e virar a peça. Essa sim, com a COR B. Não esquece de conduzir a COR A no caminho de volta! Se esquecer, volte duas casas no jogo do fio conduzido.

11Última carreira do acabamento

Mesmo esquema. Finaliza com a COR B, e depois faz a correntinha de subida com a COR A. Sem mistério.
(Se esse negócio que estamos fazendo tem uma nome, seja legal e avisa a coleguinha aqui nas redes sociais pra eu poder editar o post. Só vi isso em bolsas costuradas, achei que dava um rolê fazer nas de crochê também).

12Cabô! (esse, pelo menos).

Ele fica assim. Aí você corta deixando um rabão na COR A pra poder costurar a peça na bolsa depois.

13Multiplicai-vos!

Yes, tem que fazer dois. Não, não pode pular essa parte só porque eu não estou vendo.
Pra esconder o fio da COR B que ficou pro lado contrário: use uma agulha de tapeçaria e costura ele pro outro lado. Dê dois nozinhos (sem deixar a peça franzir) nos fios da mesma cor (os da COR B! Deixa os fios da COR A em paz, por enquanto) e corte.

14Agora a gente vai costurar o trem na bolsa

E pra posicionar ele direitinho e não ter que descosturar pra costurar de novo depois, vale dar uma dobradinha nele, pra ele ficar no formato do cantinho e parar quieto onde a gente precisa que ele fique…

15…que é bem aqui.

Nesse cantinho maroto. É nessas pecinhas que a gente vai segurar pra abrir e fechar a bolsinha.

16Teje preso!

Quando achar o cantinho certo, prenda com um alfinete.

17Agora a gente costura.

E nessa costura dá o melhor de si pra seguir os pontos que o próprio crochê fez, sobretudo do lado de fora, pra não aparecer nadinha.

18Quando eu puxar esse pontinho ele vai SUMIR!

Magicamente. Puf. Ninguém vê costura nenhuma. 

19Costurado, é hora de dar dois nozinhos

Ou três. Ou quatro. Ou vários, que ninguém tá aqui pra julgar o nível de loucura das pessoas. Mas depois corte os fios.

 

Gente, esse post tá mais comprido que discurso antes da comida! Bora deixar o zíper pra outro post, que ninguém é obrigada. Hahahaha.