Leia em 8 min

Yes, habemus clutch bracelete! Pois que já fazia um tempinho que eu tava maluca pra mostrar pra vocês essa tendência xuxuzônica que é fazer uma clutch com bracelete em vez de alça! E porque aqui somos dessas que adoram contar de onde tiraram as ideias (custa nada dar um creditozin né?), segura aí um carrossel de fotos com as referências de bolsas de várias marcas diferentes que me atiçaram a coceirinha de fazer desafio.

Como a única peça que eu tinha feita com modelo eu não podia mostrar ainda (segura que tá quase boa de mostrar), o #alertadetendência que eu amo fazer nos stories teve que esperar essa belezoca cor-de-rosa nascer. Essa clutch é uma homenagem carinhosa às migles que tão de saco cheio dos meus projetos de linha fina (hahaha) mas seguem lindas e queridas por aqui. <3 Mamái ama vocês, viu, suas malucas por fios grossos?

O fio escolhido foi um cone de algodão XL, da LM Hilaturas. Eu disse cone, mas não tem nada a ver com os cones de algodão do Brasil, que são bem mais ásperos. Esse é parecido com o da Casasol Filicor, que a Susimiu usou pra fazer o Chal 9 de junio. É um algodão penteado, quase sem torção (o que significa que fica abrindo seus muitos fiapos durante o crochê), macio e que APARENTEMENTE não faz bolinha depois de virar peça. Tá pronto pra entrar na lista dos europeus favoritos, que serão muito usados aqui!

Clutch Bracelete ou Bolsa Pulseira – Receita de Crochê

Agulha: 5 mm (Usei a Clover Soft)
Linha: Algodão XL | LM Hilaturas na cor 4166 – maquillaje (pra ideias de substituição, se liga nas dicas do amô)
Tamanho (aprox): 24 cm x 16 cm (fora a parte do bracelete)
Tipo de crochê: espiral
Nível: juro que é fácil, depois que pega+ a manha do fundo

Pontos usados: 
corr: correntinha
pbx: ponto baixíssimo
pb: ponto baixo
mpa: meio ponto alto
pa: ponto alto
aum: dois ponto altos em cada ponto da carreira anterior
pbta: ponto baixo pegando pela terceira alça (quê? Já explico!)

FUNDO SCOPEL: (porque já que eu inventei uma coisa que todo mundo pra quem eu perguntei não tinha visto antes, vai ter meu nomíneo ZIM e quem não gostar paciência hahaha).

DICAS DO AMÔ:

  • Os fios brazucas mais parecidos são os de algodão bem grossinho (aquele barrocão da massa que a gente curte, mas que eventualmente faz bolinha e a gente odeia). Mas aqui o que vale é a sua boa vontade e capacidade de adaptação! Caso você use o Barroco, recomendo agulha 4mm ou 4.5mm. Um fio de malha mais fininho também pode arrasar nessa receita! )e bora fazer campanha pra Círculo mercerizar esse fio!)
  • A gente vai fazer um fundo diferente nessa bolsa, que é pras correntinhas ficarem à mostra, e evitar aqueles buraquinhos feiosinhos que a carreira de volta na correntinha às vezes deixa. Acabei de decidir que ele chama #FundoScopel e me deixa ser feliz, porque eu tô há ho-ras aqui escrevendo esse trem. Hahaha.
  • Pra não repetir a mesma coisa, eu indico uma instrução entre colchetes, com o número de vezes que ela deve ser repetida. Ex: se eu disser [2 pa, 1 corr, 2 pa] ao redor – é pra fazer forever o que está dentro do colchete. Ok? Ok.

Carreira 1: Faça 26 correntinhas, o mais homogêneas possível, e sem apertar muito. Elas vão ficar visíveis no fundo da peça (usar uma agulha um tiquinho maior pra fazer as correntinhas pode ser uma ótima ideia).

Carreira 2: A partir da segunda correntinha, volte com pontos baixos pegando pela terceira alça (nenhuma das duas que a gente costuma usar: é a terceira mesmo, que fica na parte de trás, sozinha). Chegando no final, faça três pontos baixos na mesma alcinha do final.

Agora é que o bicho pega: pegando na terceira correntinha (que já tem um ponto em cima, aquele que fizemos pra voltar), volte fazendo pontos baixos. Mas não pode pegar nem na alça de baixo, nem na da frente, nem no ponto do lado: precisa deixar a correntinha livre, e pegar exatamente por onde veio.

Chegando no final, coloque mais dois pontos no que foi o nosso primeiro ponto. Arremate essa carreira que deu nervouser de fazer (que eu sei) com um ponto baixíssimo no primeiro ponto baixo que fizemos, lá no início. Prometer não prometo (pra não ficar com vergonha se a vida me atropelar e eu não puder cumprir hahaha), mas tô querendo fazer essa bolsa em uma live. Ou um vídeo gravado, se eu me atrever a tanto. <3

Os últimos dois pontos da base são esses. Depois, basta fechar com um baixíssimo no primeiro ponto de todos, lááá no comecin.

Carreira 3: Agora começa a parte fácil. você vai pular dois pontos na carreira de baixo, e fazer [2 pa, 1 corr, 2 pa] na no mesmo ponto. Aí pula um ponto, faz um pbx, pula outro ponto, e repete a sequência [2 pa, 1 corr, 2 pa]. Faça isso até o final (seis leques, pelas minhas contas).

Esse gráfico é só pra ilustrar os pontos utilizados. A instrução exata do número de pontos está no texto. Aprendi muito com a última bolsa, tô querendo explicar tudo melhor <3

Se tudo deu certo nessa parte, vai cair uma sequência dessa entre colchetes (o leque) bem no cantinho. E você segue o baile ao redor, até chegar no início, onde vai ter mais um leque no cantinho.

Essa parte com uma correntinha no meio é a parte que fica pra fora. Mas a magya desse fundo é que, mesmo que você decida usar ela do avesso, aqueles buracos que os fundos normais deixam não acontecem aqui. Yey.Carreiras 4 até a 14: A partir de agora a gente vai fazer a sequência que fica entre colchetes [2 pa, 1 corr, 2 pa] nos espaços entre um leque e outro da carreira anterior, colocando o ponto baixíssimo no topo dos leques abaixo. Como vamos trabalhar em espiral, não tem começo nem fim: vai dando voltas nesse mesmo esquema, que chegamos lá. Só precisa ter atenção pra parar exatamente do ladinho onde começamos a peça.

Mudei a cor pra deixar clara a visualização das carreiras (a primeira de leques na cor preta é a 3, a vermelha é a 4, a preta seguinte é a 5, e por aí vai)

Carreira 15: faça o último leque (cheque se ele acaba na lateral oposta ao pedaço da correntinha inicial, lá do início da peça) e prenda com um pbx. A partir de agora, vamos preencher os espaços entre os leques, pra deixar tudo retinho.
COMO? Fazendo a sequência: [pb, pb, mpa, pb, pb] entre os buraquinhos de cada leque. Quando chegarmos naquela correntinha do topo do leque, a gente não faz ponto nenhum nela: pula ela, e ponto baixo no próximo ponto. Se liga no gráfico.

Observe como as correntes são deliberadamente ignoradas. Assim, “no más”. Na caruda.Carreiras 16 e 17: faça pontos baixos ao redor. Termine exatamente onde a bolsa começou (do lado oposto da linha extra lá do início, lembra?) e arremate usando correntinha de mão. Esconda o fio por dentro da trama de maneira segura, e corte.

Coloque o zíper (meus PAP de zíper são um fracasso, confia em mim e vai pro youtube).

Como prender a pulseira
Isso depende da pulseira que você tem! A que eu usei aqui é uma argola abre e fecha, então eu só engatei ela na trama, e fui feliz. Mas se a sua não tiver abertura, você pode usar correntes, ou até mesmo crochetar uma tirinha pra prender ela na bolsa. 🙂

Faça muitas bolsas e clutches, e se joga! Se liga na dica de onde encontrar os braceletes:

  • Pulseiras antigas, que você não gosta mais, podem encontrar vida nova numa peça de crochê!
  • Você pode ir dar um rolê em loja de bijus e encontrar coisas lindas e ótimas em promoção.
  • E você pode pensar fora da caixa, olhar pra coisas que tenham a mesma forma, ainda que tenham outra função. Eu comprei um segurador de cortinas pra fazer a próxima! 🙂

Se fizer, me marca usando a #HeyScopel e a #DesafioCrochetLand pra todo mundo ver!
Aliás, bora fuçar nessa hashtag pra ver tudo que lindo que já tem e distribuir amor entre azamigue que topam os desafios? Eu vou!

Beijos, e bom crochê!